Candidíase-causas, sintomas e tratamentos

Candidíase: causas, sintomas e tratamento

Você sabia? Estima-se que aproximadamente ¾ das mulheres tenham pelo menos um episódio de candidíase ao longo da vida. Entenda melhor essa infecção, suas causas, sintomas e tratamentos.

A candidíase é uma infecção por um fungo chamado cândida, que vive em harmonia na vagina de todas as mulheres. Mas, de repente, por algum desequilíbrio, acaba crescendo mais do que deveria, levando ao corrimento e aos sintomas da doença. Estimamos que aproximadamente ¾ das mulheres tenham pelo menos um episódio ao longo da vida.

Normalmente, a candidíase provoca um corrimento um pouco mais esbranquiçado, pastosos, comparável à papel molhado por muitas pacientes. Causa também muita coceira. Trata-se de uma coceira externa e interna concomitante. A parte externa coça muito por conta da acidez do corrimento, que lesiona um pouco a região da vagina e deixa a área mais avermelhada.

Quais são as causas da candidíase?

Geralmente, a candidíase está associada à queda da imunidade, ao uso de antibióticos, anticoncepcionais, imunossupressores e corticoides, à gravidez, aos diabetes, a alergias e ao HPV (papiloma vírus).

Muita gente não sabe que o consumo de carboidratos em excesso também contribui para o aparecimento da candidíase. O fungo precisa de um ambiente ácido para se reproduzir, e alimentos ricos em carboidratos simples, gorduras e proteínas animais contribuem para essa acidez.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é simples e clínico. Não adianta ir ao ginecologista e pedir um papanicolau para descobrir o que é este corrimento, já que a função do papanicolau é prever o câncer de colo de útero (saiba tudo sobre o papanicolau neste vídeo). 

Ao fazer o exame clínico, o médico já saberá dizer se é ou não candidíase. Como existem vários tipos de corrimentos, é importante diagnosticar exatamente o que está acontecendo. Se é uma candidíase, uma vaginose, uma infecção. Só assim conseguimos passar o tratamento mais adequado.

Qual é o tratamento?

Quando falamos de candidíase o tratamento pode ser feito só com o creme vaginal, com comprimidos ou com uma combinação de ambos. Às vezes, no entanto, a paciente retorna ao consultório depois de alguns dias ou após algumas semanas dizendo que o quadro voltou. Aí entramos em outro conceito importante, que é a candidíase recorrente. 

O que é a candidíase recorrente?

A candidíase recorrente é quando a paciente tem quatro ou mais episódios de candidíase ao longo de um ano. Quando isso acontece, é importante analisar os fatores de risco. A paciente pode ter candidíase por causa de um antibiótico, um contraceptivo, um remédio que toma e, ainda, por conta da imunidade. E quando falamos de imunidade, é preciso tomar cuidado com stress e ansiedade. Muita gente não sabe, mas o estresse e a ansiedade são os maiores causadores da candidíase de repetição.

Neste caso, o diagnóstico é um pouco mais difícil porque, além de esperar um tempo certo para poder ter o número de episódios ao longo de um ano, é necessário fazer alguns exames laboratoriais para entender se aquilo é mesmo uma candidíase e assim destrinchar de qual tipo de candidíase estamos falando, para então passar o tratamento adequado. 

O tratamento da candidíase de repetição também é um pouco mais prolongado. Não adianta apenas usar um creme ou um comprimido. É preciso fazer o tratamento e acompanhar a evolução por pelo menos seis meses. 

A candidíase não é uma DST

É importante lembrar que a candidíase não é uma doença sexualmente transmissível (DST). A cândida é um fungo que está presente na vagina de todas as mulheres e, por algum desequilíbrio, ela prolifera e cresce, causando um desequilíbrio. Não tem nada a ver com o seu parceiro. Mas, claro, caso o parceiro apresente algum sintoma, é preciso tratá-lo também. 

Um beijo,
Dr. Rodrigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

1 comentário em “Candidíase: causas, sintomas e tratamento”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *