Quando fazer o papanicolau e o que o exame detecta

Quando fazer o papanicolau e o que o exame detecta

Entenda o que é o papanicolau, quando você deve fazer o exame, como ele é feito, o que ele detecta e por que é um exame tão importante.

O papanicolau é um exame preventivo. Por isso, inclusive, que muitas pessoas o chamam assim: exame preventivo. Ele foi descoberto pelo médico grego Geórgios Papanicolaou e acabou levando o nome do seu “criador”. Mas, na comunidade médica, seu nome técnico é exame colpocitológico. 

Como é feito o papanicolau?

Durante a consulta, o médico coleta algumas células do seu colo do útero. Primeiro usamos uma espátula e depois uma escovinha. As células coletadas são depositadas em uma lâmina ou em um potinho com líquido, para serem analisadas lá no laboratório. Por isso que na consulta a gente não consegue dizer se está tudo certo com seu papanicolau. Só temos essa resposta quando o resultado chega para a gente.

O papanicolau deve ser realizado entre o décimo e o vigésimo dia depois do primeiro dia de menstruação e a mulher não deve ter relações sexuais (mesmo com camisinha) nos dois dias anteriores ao exame – isso porque o contato com os fluidos do parceiro (ou mesmo o uso de lubrificantes e outros produtos) é capaz de alterar o resultado. É importante evitar também o uso de duchas e medicamentos vaginais 48 horas antes da realização do exame.

O que o papanicolau detecta?

O exame avalia principalmente algumas alterações que acontecem nas células do colo do útero. Essas alterações são causadas pelo vírus HPV, que é um vírus muito comum. No meu  vídeo sobre o HPV você pode entender um pouco mais sobre ele. O que eu adianto é: muitas mulheres já tiveram contato com esse vírus. Mas, como sabemos que é o HPV que vai causar, lá na frente, o câncer do colo do útero, fazemos o exame preventivo exatamente para detectar possíveis lesões em estágios iniciais. São as lesões precursoras como a gente chama. 

Quando fazer o papanicolau?

Costuma-se pedir o exame anualmente ou a cada dois anos. A frequência com que você vai fazer o papanicolau depende do seu médico. Por isso, caso seu ginecologista não tenha pedido para você fazer o exame já há algum tempo, vale conversar com ele para entender o motivo. Acredite: quando o papanicolau detecta alguma lesão pré-cancerígena, ele pode salvar a sua vida.

Um beijo,
Dr. Rodrigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *